Mostrar registro simples

dc.creatorTocchet, Caroline de Bianchi
dc.date.accessioned2016-06-02T19:26:23Z
dc.date.available2015-02-05
dc.date.available2016-06-02T19:26:23Z
dc.date.issued2013-11-29
dc.identifier.citationTOCCHET, Caroline de Bianchi. Analysis of the small mammals distribution (Didelphimorphia, Rodentia): a biogeographic approach from Cerrado. 2013. 90 f. Dissertação (Mestrado em Diversidade Biológica e Conservação) - Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2013.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/1536
dc.description.abstractThe Cerrado biome is located in Central Brazil Plateau occupying 2,036.448 km². Its weather is characterized by seasonality and the landscape by a vegetation mosaic. Those factors contribute for Cerrado to be known as the richest savanna in the world. It is considered one of the 20 World Hotspots, because of its high level of diversity and threat. The Cerrado is still poorly known, especially in relation to its history, origin and distribution through time, which are important factors to comprehend its recent diversity. This project aims to determine the historically stable areas within Cerrado by modelling 14 marsupial and small rodent species potential distribution for past and present scenarios, to relate the detected areas with endemism levels, to compare the identified patterns with known biogeography hypothesis of other Cerrado organism groups, and to suggest priority areas for inventory. To generate the potential distribution maps I used the digital bases available by WWF and IBGE and the SIG ARCMAP 10.1 software. The potential distribution modelling was implemented by maximum-entropy algorithm (MAXENT), using WORLDCLIM 1.4 and PALEOCLIMATE MODELING INTERCOMPARISON PROJECT (PMIP) climate variables data. The open vegetation biomes of South America were the base area for modelling, with 2.5 layers resolution (ca. 5 km²). To statistically evaluate model performance, I used the area under the curve (AUC) of the receiver operating characteristic (ROC) plot. All models presented high AUC values. The hypothesis that during the Last Glacial Maximum (LGM) the open formations expanded and the forest ones retracted, while the open formations retracted and forests expanded during the Last Interglacial (LIG) were supported by 20 of the 28 proposed models. The historically stable areas include the Parecis , Chapada dos Guimarães, Chapada Diamantina and Central Brazil Plateaus, the western Minas Gerais and the Espinhaço range. Those areas agree to other historically stable areas and/or endemism areas already proposed for other taxa, such as birds, squamate reptiles, anuran, lepdoptera and plants. They also reflect lack of inventory data. So, the fauna of those areas should be better investigated and its material used in future phylogenetic and phylogeographic studies. Conservation should also be considered in the light of their climatic stability, resulting in the possible creation, increasing or maintaining of Conservation Units.eng
dc.description.sponsorshipUniversidade Federal de Sao Carlos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectmamíferos - distribuição geográficapor
dc.subjectdiversidade biológicapor
dc.subjectcerrado - biogeografiapor
dc.subjectáreas historicamente estáveispor
dc.subjectendemismospor
dc.subjectmodelagem de nichopor
dc.subjectMAXENTpor
dc.subjectbiomas abertospor
dc.subjectAmérica do Sulpor
dc.subjecthistorically stable areas, endemism, niche modelling, MAXENT, open biome, South Americaeng
dc.titleAnálise da distribuição de pequenos mamíferos (Didelphimorphia, Rodentia): uma abordagem biogeográfica do Cerradopor
dc.title.alternativeAnalysis of the small mammals distribution (Didelphimorphia, Rodentia): a biogeographic approach from Cerradoeng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Carmignotto, Ana Paula
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0633095503285315por
dc.contributor.referee1Paglia, Adriano Pereira
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8247182921769589por
dc.contributor.referee2Nogueira, Cristiano de Campos
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/4070723771304340por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3904783800432179por
dc.description.resumoO bioma Cerrado localiza-se no planalto do Brasil Central e ocupa uma área de 2.036.448 km²; tem seu clima marcado pela sazonalidade e é constituído por um mosaico de diferentes fitofisionomias, um dos fatores que mais contribui para que seja a savana com maior riqueza de espécies do mundo. Por ser um bioma com alto nível de diversidade e estar dentre os mais ameaçados do planeta, é considerado um dos 20 hotspots mundiais. Apesar disto, pouco se conhece a respeito do Cerrado, em especial sobre sua história, incluindo sua origem e distribuição ao longo do tempo, fatores muito importantes para a compreensão da atual diversidade presente no bioma. Este projeto tem como objetivos determinar áreas historicamente estáveis no Cerrado a partir de modelos de distribuição potencial de 14 espécies de marsupiais e pequenos roedores para cenários passados e atuais, relacionar as áreas detectadas com aquelas que atualmente possuem maior concentração de espécies endêmicas, e comparar os padrões levantados em relação a hipóteses biogeográficas já propostas para outros organismos que habitam o Cerrado, além de sugerir áreas prioritárias para inventário. Para produzir os mapas de distribuição potencial foram utilizadas bases digitalizadas disponibilizadas pela WWF e pelo IBGE e o software SIG ARCMAP 10.1. Para a modelagem foi utilizado o algoritmo de máxima entropia (MAXENT). As variáveis climáticas foram obtidas a partir da base de dados do WORLDCLIM 1.4 e do PALEOCLIMATE MODELING INTERCOMPARISON PROJECT (PMIP) e a área considerada para gerar os modelos foi aquela que incluiu as formações abertas da América do Sul, conhecida como Diagonal Seca , com resolução das camadas ambientais de 2.5 (ca. 5 km²). Para verificar o desempenho dos modelos produzidos foi utilizada a análise da área sob a curva (area under the curve, AUC) ROC (Receiver Operating Characteristic). Todos os modelos gerados apresentaram alto valor de AUC. A hipótese de que durante os períodos glaciais, como o Último Máximo Glacial (Last Glacial Maximum LGM), as formações abertas teriam se expandido e as áreas florestadas se retraído, e durante os períodos inter-glaciais, como o Último Inter-glacial (Last Interglacial LIG), o oposto teria acontecido, isto é, expansão das formações florestais e retração das áreas abertas, foi corroborada por 20 dos 28 modelos propostos. As áreas historicamente estáveis geradas pelos modelos das 14 espécies incluem o Planalto dos Parecis e a Chapada dos Guimarães (MT), o Planalto Central brasileiro (GO e DF), o oeste de Minas Gerais, na região leste do Triângulo Mineiro, a Serra do Espinhaço (MG) e a Chapada Diamantina (BA). Essas áreas aqui identificadas condizem com áreas historicamente estáveis e/ou áreas de concentração de endemismos anteriormente propostas para outros táxons como aves, répteis Squamata, anuros, lepidópteros e plantas. Os modelos também apontaram estas áreas como áreas de lacunas de amostragem, representando regiões a serem melhor investigadas em campo quanto à sua fauna e possível fonte de material para estudos futuros de filogenia e filogeografia. Além disso, são importantes para conservação, tendo em vista sua estabilidade climática, representando possíveis áreas alvo de criação, ampliação e manutenção de Unidades de Conservação.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pos-graduação em Diversidade Biológica e Conservaçãopor
dc.subject.cnpqCIENCIAS BIOLOGICAS::ZOOLOGIApor


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples