Show simple item record

dc.creatorFerrini, Cyntia Maria Silva
dc.date.accessioned2016-06-02T19:46:31Z
dc.date.available2015-02-10
dc.date.available2016-06-02T19:46:31Z
dc.date.issued2004-01-16
dc.identifier.citationFERRINI, Cyntia Maria Silva. Surdez e educação: pais de crianças surdas e ansiedade. 2004. 239 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/3178
dc.description.abstractA deaf child's birth brings the family into a new reality. Such reality might unchain anxiety states or not, depending on the conception the family has on deafness and deaf people as well as on interaction quality and established communication level. Facing that problem, this study aimed at getting to know the anxiety level of parents that attend orality services searching for oral interaction with their deaf children, and the anxiety level of those that attend bilingual services looking for interaction with their deaf children through the Brazilian Language of Signs (LIBRAS), homelike signs, speaking, and writing. In addition, this study has obtained and analyzed physiologic and behavioral measures of those parents that could be related to anxiety or not. For this, subjects took part in experiment sessions, where physiologic and behavioral reactions to stimuli were recorded and IDATE (Trace-Status Anxiety Inventory) was applied. The results of this study present difference among listener groups, orality and bilinguism as to the anxiety scale, with higher anxiety level among orality parents, while bilingual parents presented a higher anxiety than listener parents; however, this difference was not verified in physiologic measures, during the stimuli presentation. However, difference in those measures during experiment was found. On the other hand, behavioral categories indicated difference among groups. Having such results in mind, it would be interesting to confirm data from the anxiety scale with other scales, for instance, through application of Marilda Lipp s Stress test, the Analogical Scale of Humor, and Hamilton s scale for Anxiety.eng
dc.description.sponsorshipFinanciadora de Estudos e Projetos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectEducação especialpor
dc.subjectSurdezpor
dc.subjectPais e filhospor
dc.subjectCrianças surdaspor
dc.subjectAnsiedadepor
dc.titleSurdez e educação: pais de crianças surdas e ansiedadepor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Dias, Tárcia Regina da Silveira
dc.contributor.advisor1Latteshttp://genos.cnpq.br:12010/dwlattes/owa/prc_imp_cv_int?f_cod=K4783670A8por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/7222853843468945por
dc.description.resumoO nascimento de uma criança surda impõe uma nova realidade à família. Essa realidade poderá ou não desencadear estados de ansiedade, dependendo da concepção que a família tem sobre surdez e pessoa surda, bem como da qualidade das interações e do nível de comunicação estabelecido. Frente a essa problemática, este estudo teve como objetivo conhecer o nível de ansiedade dos pais que freqüentam serviços oralistas em busca de interação oral com seus filhos surdos, e o nível de ansiedade daqueles que freqüentam serviços bilíngües e buscam interagir com seus filhos surdos por meio da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), sinais caseiros, fala e escrita. Adicionalmente, foram obtidas e analisadas as medidas fisiológicas e comportamentais desses pais que podiam ou não estar relacionadas com a ansiedade. Para isso, os sujeitos participaram de sessões de experimento, em que foram registradas as respostas fisiológicas e comportamentais a estímulos, bem como foi aplicado o IDATE (Inventário de Ansiedade Traço-Estado). Os resultados deste estudo apontaram para a diferença entre os grupos ouvinte, oralista e bilíngüe na escala de ansiedade, com maior nível de ansiedade nos pais oralistas, ao passo que os pais bilíngües apresentaram ansiedade maior que os pais ouvintes; porém, essa diferença não foi constatada nas medidas fisiológicas, durante a apresentação dos estímulos. Contudo, pode-se perceber diferença nessas medidas durante o experimento. Já, as categorias comportamentais indicaram que há diferença entre os grupos. Tendo em vista os resultados, seria interessante confirmar os dados da escala de ansiedade por outras escalas, por exemplo, pela aplicação dos testes de Stress da Marilda Lipp, pela Escala Analógica do Humor e pela Escala de Hamilton para Ansiedade.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Educação Especialpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::TOPICOS ESPECIFICOS DE EDUCACAO::EDUCACAO ESPECIALpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record