Show simple item record

dc.creatorBet, Patrícia
dc.date.accessioned2019-02-04T16:27:14Z
dc.date.available2019-02-04T16:27:14Z
dc.date.issued2019-01-18
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/10897
dc.description.abstractBackground: The investment in acceleration sensor-based equipment as a fall prevention strategy can represent a viable option for the monitoring of the fall risk. However, more studies are needed on the analysis of such data, in particular for the prediction of future falls to be adopted for health care and prevention. Thus, the objective of this study is to investigate patterns for fall risk screening in the elderly with no recent history of fall, through three types of Timed Up and Go (TUG) tests using a single acceleration sensor. Methods: A prospective study was conducted with 74 healthy elderly non-fallers using waist acceleration sensors while performing three variations of the TUG. After evaluation at baseline, the occurrence of falls (outcome) was monitored quarterly during one year. We investigate frequency features extracted from the accelerometry signal and their ability to predict falls. Mann-Whitney U test was used to compare the groups. Besides, analyze of accuracy, sensitivity and specificity were performed. Results and Discussion: The best individual feature result shows an accuracy of 0.75, sensitivity of 0.71 and specificity of 0.76. A fusion of the three best features increases the sensitivity to 0.86. Statistical difference was found in the whole accelerometry data, without any type of processing, for three, six, nine and twelve months of follow-up. The cut-off points of the TUG seconds did not demonstrate adequate sensitivity for community-dwelling elderly. Conclusions: The results confirms previous evidence that accelerometer features can better fall risk, and support potential applications that try to infer falls risk in less restricted scenarios, even in a sample stratified by age and gender composed of active community-dwelling elderly.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectAceleraçãopor
dc.subjectAnálise de marchapor
dc.subjectRisco de quedaspor
dc.subjectSensores vestíveispor
dc.subjectIdosospor
dc.subjectAccelerationeng
dc.subjectGait analysiseng
dc.subjectFall riskeng
dc.subjectWearable sensorseng
dc.subjectElderlypor
dc.titleSensores inerciais móveis no rastreio e predição de risco de quedas em idosospor
dc.title.alternativeMobile inertial sensors for fall risk screening and predictioneng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Ponti, Moacir Antonelli
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5041497500746910por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0256435348164751por
dc.description.resumoIntrodução: O investimento em equipamentos baseados em sensores de aceleração como uma estratégia de prevenção de queda pode representar uma opção viável para o monitoramento do risco de queda. No entanto, mais estudos são necessários para a análise de tais dados, em particular para a previsão de quedas futuras a serem adotadas para os cuidados de saúde e prevenção. Assim, o objetivo deste estudo é investigar os padrões para rastreio de risco de queda em idosos sem histórico recente de queda, por meio de três variações do teste Timed Up and Go (TUG) utilizando um único sensor de aceleração. Métodos: Um estudo longitudinal prospectivo foi conduzido com 74 idosos saudáveis não caidores utilizando sensores de aceleração na região da cintura enquanto realizavam três variações do TUG. Após avaliação no início do estudo, a ocorrência de quedas (desfecho) foi monitorada trimestralmente durante um ano. Investigamos características de frequência extraídas do sinal de acelerometria e sua capacidade de prever quedas. O teste Mann-Whitney foi utilizado para comparar os grupos. Além disso, análise de acurácia, sensibilidade e especificidade foram realizadas. Resultados e Discussão: O melhor resultado de característica individual mostrou uma acurácia de 0.75, sensibilidade de 0.71 e especificidade de 0.76. Uma fusão das três melhores características aumentou a sensibilidade para 0.86. Diferença estatística foi encontrada nos os dados completos de acelerometria, sem qualquer tipo de processamento, para três, seis, nove e doze meses de acompanhamento. Os pontos de corte dos segundos do TUG não demonstraram sensibilidade adequada para os idosos da comunidade. Conclusões: Os resultados confirmam evidências anteriores de que os recursos de acelerometria podem melhor a avaliação do risco de quedas e apoiam possíveis aplicações que tentam inferir o risco de quedas em cenários menos restritos, mesmo em uma amostra estratificada por idade e sexo composta por idosos ativos da comunidade.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Gerontologiapor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::MEDICINA PREVENTIVApor
dc.description.sponsorshipIdCAPES: Código de financiamento 001por
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record