Show simple item record

dc.creatorOliveira, Ezequiel Aguiar de
dc.date.accessioned2019-09-10T19:39:19Z
dc.date.available2019-09-10T19:39:19Z
dc.date.issued2019-07-12
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/11819
dc.description.abstractThe Neotropical region exhibits the largest diversity of freshwater fishes in the world and the demographic history of several taxa is related to the geomorphological and climatic history of this region. Among the Osteoglossiformes, the Arapaimidae family is represented by only two genera, with a South American representative Arapaima and another African Heterotis, an important ichthyological group that still has lacked genetic and cytogenetic studies. Therefore, the present work with the use of advanced population genomics tools, selection of demographic models by machine learning, conventional and molecular cytogenetics analysis, aimed at developing a broad understanding of the chromosomal, molecular and phylogeographic diversity of these species. We aimed to better clarify the evolutionary events that shaped the demographic history of this fish group. For that, South American and African representatives of Arapaimidae, namely Arapaima (four natural populations of the Am basin, three of the To-Ar basin and three fish farms) and Heterotis niloticus (a population of the Oluwa River in Nigeria) were examined. The species differed significantly by means of diploid chromosome numbers, with 2n = 56 found in Arapaima and 2n = 40 exhibited by H. niloticus. However, these species presented some general tendencies shared by other Osteoglossiformes analyzed so far, regarding the presence of only one pair of chromosomes bearing 18S and 5S rDNA sites and karyotypes dominated by acrocentric-submetacentric chromosomes, thus corresponding to hypothetical karyotype patterns ancestral to teleosts. In addition, their genomes showed remarkable divergence in terms of repetitive DNA content and distribution as revealed by Comparative Genomic Hybridization (CGH). On the other hand, genomic diversity of single-copy sequences (SNPs), retrieved through principal component analysis (PCA), based on alleles obtained by the DArTseq procedure, demonstrated a very low genetic distance between these genera. These data provided a clear view of the genetic diversity between African and South American Arapaimidae species and were highly consistent with the chromosomal, geographic and historical data, helping to understand its evolutionary diversification. Concerning the investigations of the genus Arapaima in South America, we observed a higher general level of genetic diversity in the Am populations when compared to the one observed in the To-Ar basin. In addition, a high genetic differentiation between the populations of the different basins was observed. By including samples of fish farming, the most likely ancestry of the used breeding herds was revealed, raising concerns about the use of broodstocks outside the distribution of their genetic grouping. No significant chromosome differentiations in the karyotypic structure and repetitive DNA compositions among the studied Arapaima populations was observed. Although the main routes for Arapaima colonization in South America are still unclear, the model selection from convolutional neural networks (CNN) applied to our empirical data indicated a scenario in which the Am basin was the first to be colonized, followed by the To-Ar one. Other studies should focus on a wider historical biogeographic reconstruction of the order Osteoglossiformes, which may potentially explain its relationship with the Gondwana break-up and the presence of this taxon in South America.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectCromossomospor
dc.subjectSNPspor
dc.subjectGondwanapor
dc.subjectDNAs repetitivospor
dc.subjectPeixespor
dc.subjectCitogenética molecularpor
dc.subjectChromosomeseng
dc.subjectFisheseng
dc.subjectRepetitive DNAseng
dc.subjectMolecular cytogeneticseng
dc.titleEvolução cromossômica e diversidade genética em espécies de peixes da família Arapaimidae (Teleostei: Osteoglossiformes)por
dc.title.alternativeChromosomal evolution and genetic diversity in fish species of Arapaimidae family (Teleostei: Osteoglossiformes)eng
dc.title.alternativeEvolución cromosómica y diversidad genética en especies de Pez de la familia Arapaimidae (Teleostei: Osteoglossiformes)spa
dc.typeTesepor
dc.contributor.advisor1Cioffi, Marcelo de Bello
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0242034365085727por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3035501906153908por
dc.description.resumoA região Neotropical exibe a maior diversidade de peixes de água doce do mundo e a história demográfica de vários táxons está relacionada com a história geomorfológica e climática desta região. Entre os Osteoglossiformes a família Arapaimidae é representada por apenas dois gêneros, com um representante Sul-Americano Arapaima e outro africano Heterotis, um importante grupo ictiológico que ainda apresenta escassez de dados genéticos. Portanto, as presentes investigações com o uso de ferramentas avançadas da genômica de populações, seleção de modelos demográficos por aprendizado de máquina, citogenética clássica, molecular e citogenômica, objetivaram desenvolver um entendimento amplo da diversidade cromossômica, molecular e filogeográfica destas espécies, com o intuito de esclarecer melhor os eventos evolutivos que moldaram a história demográfica deste grupo de peixes. Para tanto, foram examinados representantes sul-americanos e africanos de Arapaimidae, nomeadamente Arapaima (quatro populações naturais da bacia Am, três da bacia To-Ar e de três pisciculturas) e Heterotis niloticus (uma população do rio Oluwa na Nigéria). Nas abordagens comparativas intercontinentais e intraespecíficas, observou-se que as espécies diferiram significativamente por meio de números cromossômicos diploides, com 2n = 56 encontrado em Arapaima e 2n = 40 exibido por H. niloticus. Entretanto, estas espécies apresentaram algumas tendências gerais compartilhadas por outros osteoglossiformes analisados até o momento, como a presença de apenas um par de cromossomos portadores dos sítios de DNAr 18S e 5S e cariótipos dominados por cromossomos acrocêntricos-submetacêntrico, correspondendo assim aos padrões de cariótipo hipotético ancestral para os teleósteos. Além disso, seus genomas apresentam uma divergência notável em termos de conteúdo e distribuição de DNA repetitivos, como revelado por Hibridização Genômica Comparativa (CGH). Por outro lado, a diversidade genômica de sequências de cópia única (SNPs), estudadas através de análises de componentes principais (PCA), baseadas em alelos obtidos pelo procedimento DArTseq, demonstraram uma distância genética muito baixa entre estes gêneros. Estes dados forneceram uma visão clara da diversidade genética entre espécies africanas e sul-americanas de Arapaimidae e foram altamente consistentes com os dados cromossômicos, geográficos e históricos, auxiliando na compreensão de sua diversificação evolutiva. Já nas investigações do gênero Arapaima para a América do Sul, observamos um nível geral mais alto de diversidade genética nas populações do Am, quando comparado ao observado na bacia To-Ar. Adicionalmente, uma alta diferenciação genética entre as populações das diferentes bacias foi observada. Ao incluirmos amostras de piscicultura, também conseguimos evidenciar a ancestralidade mais provável dos reprodutores usados, levantando a discussão sobre o uso de reprodutores fora da distribuição de seu agrupamento genético. Não houve diferenciações cromossômicas significativas na estrutura cariotípica e nas composições de DNAs repetitivos mapeados entre as populações de Arapaima estudadas. Embora as principais vias para a colonização de Arapaima na América do Sul ainda não estejam claras, a seleção de modelo a partir de redes neurais convolucionais (CNN) aplicadas aos nossos dados empíricos indicam um cenário no qual a bacia do Am foi a primeira a ser colonizada, seguida da bacia To-Ar. Outros estudos devem se concentrar em uma reconstrução biogeográfica histórica mais ampla da ordem Osteoglossiformes, que pode potencialmente explicar sua relação com o rompimento do Gondwana e a presença deste táxon na América do Sul.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Genética Evolutiva e Biologia Molecularpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS BIOLOGICAS::BIOQUIMICA::BIOLOGIA MOLECULARpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS BIOLOGICAS::GENETICA::GENETICA ANIMALpor
dc.description.sponsorshipIdCAPES: Código de Financiamento 001por
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record