Show simple item record

dc.contributor.authorBianchi, Pamela Cristina
dc.date.accessioned2019-11-13T12:43:26Z
dc.date.available2019-11-13T12:43:26Z
dc.date.issued2019-10-31
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12017
dc.description.abstractThe present study aimed to know the territorial and community actions in Latin America, using a dialectical historical materialist reading. The terms territory and community fit into the political, economic and social relations established in the capitalist model of production. In occupational therapy, the terms were incorporated as a result of political, social and economic events in the countries, as a way to unite criticism about social reality with professional practices. The study aimed to understand the theoretical and conceptual development of the terms territory and community and its reflection on the practical actions performed by occupational therapy in Argentina, Brazil, Chile and Colombia. To this end, data collection was performed in two stages: in the first, we elaborated four conceptual reviews of the literature, including eight interviews with most recurrent authors in the analyzed references of each country; in the second stage, social case studies were conducted through four participant observations, including interviews with the social actors present in the experiences followed. The results on the conceptual development identified that the productions of Brazil and Colombia presented concepts to the term territory, since community is more used in the Argentine and Chilean productions. In Argentina, the use of the term community and community actions began in the 1980s, influenced by the country's economic and political crises. In Brazil, community was incorporated by political militancy of professionals in the late 1970s, while territory entered the field amid psychiatric reform and the advancement of public policies in the 1990s; territorial and community action circumscribes collective micro-level interventions that seek to produce resonances in the social macrostructure. In Chile, community is incorporated in the early 1970s, composing the movement for democracy in the country, while territory was already used in the 1990s with the implementation of public policies; in practice, the actions correspond to community work, aimed at strengthening people's social participation. In Colombia, the use of the term community began in the 1980s as a result of the work of professionals with the victims of an environmental catastrophe and in university extension projects, territory started to be used after the implementation of territorial public policies and strengthened with Peace Agreement in 2016; territorial and community actions are correlated with social vulnerability and situations of violence. In the case studies, five principles present in the territorial-community action in Latin American occupational therapy stand out: the action implied in the collective and in social relations; the weaving of formal and informal networks; the building of bonds through the use of activities; the horizontality and availability in relationships; and strategies to address social vulnerability at the micro and macrosocial scopes. Finally, we indicate that the territory concept suggests a combination of space, process and relationship, surpassing the definition of a physical geographic space. While community brings the idea of collectivity, networks, belonging and identity. It is concluded that both are used in an articulated manner, which presupposes a reflection on people's ways of life and the relationships they establish with their living spaces in search of an intervention that promotes the weaving of solidarity in places as one of the purposes of the technical action.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectTerapia ocupacionalpor
dc.subjectAmérica latinapor
dc.subjectFormação de conceitopor
dc.subjectTerritóriopor
dc.subjectComunidadepor
dc.subjectVulnerabilidade socialpor
dc.subjectFormación de conceptosspa
dc.subjectTerritoriospa
dc.subjectComunidadspa
dc.subjectVulnerabilidad socialspa
dc.subjectOccupational therapyeng
dc.subjectLatin Americaeng
dc.subjectConcept formationeng
dc.subjectTerritoryeng
dc.subjectCommunityeng
dc.subjectSocial vulnerabilityeng
dc.titleTerapia ocupacional, território e comunidade: desvelando teorias e práticas a partir de um diálogo latino-americanopor
dc.title.alternativeTerapia ocupacional, território y comunidad: desvelando teorias e prácticas desde um diálogo latinoamericanospa
dc.typeTesepor
dc.contributor.advisor1Malfitano, Ana Paula Serrata
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1462870858750395por
dc.description.resumoO presente estudo objetivou conhecer as ações territoriais e comunitárias na América Latina, utilizando-se de uma leitura materialista histórica dialética. Os termos território e comunidade se inserem nas relações políticas, econômicas e sociais estabelecidas no modelo capitalista de produção. Na terapia ocupacional, os termos foram incorporados em decorrência de eventos políticos, sociais e econômicos dos países, como uma forma de unir a crítica sobre a realidade social às práticas profissionais. O estudo teve como objetivo compreender o desenvolvimento teórico-conceitual dos termos território e comunidade e seu reflexo nas ações práticas realizadas pela terapia ocupacional na Argentina, Brasil, Chile e Colômbia. Para tanto, a coleta de dados foi realizada em duas etapas: na primeira, elaboramos quatro revisões conceituais da literatura, incluindo oito entrevistas com autores mais recorrentes nas referências analisadas de cada país; na segunda etapa foram realizados estudos de casos sociais, por meio de quatro observações participantes, incluindo entrevistas com os atores sociais presentes nas experiências acompanhadas. Os resultados sobre o desenvolvimento conceitual identificaram que as produções do Brasil e da Colômbia apresentaram conceitos ao termo território, já comunidade é mais utilizada nas produções argentinas e chilenas. Na Argentina, o uso do termo comunidade e as ações comunitárias se iniciaram na década de 1980, influenciados pelas crises econômicas e políticas do país. No Brasil, comunidade foi incorporada pela militância política das profissionais no final dos anos de 1970, já território adentra o campo em meio à reforma psiquiátrica e ao avanço das políticas públicas na década de 1990; a ação territorial e comunitária circunscreve intervenções coletivas no âmbito micro que buscam produzir ressonâncias na macroestrutura social. No Chile, comunidade é incorporada no início da década de 1970, compondo o movimento pela democracia no país, já território passou a ser utilizado na década de 1990 com a implementação de políticas públicas; na prática, as ações correspondem ao trabalho comunitário, visando ao fortalecimento da participação social dos sujeitos. Na Colômbia, o uso do termo comunidade se iniciou na década de 1980 em decorrência da atuação das profissionais junto às vítimas de uma catástrofe ambiental e em projetos de extensão universitária, território passou a ser utilizado após a implantação de políticas públicas territoriais e fortalecido com o Acordo de Paz, em 2016; as ações territoriais e comunitárias estão correlacionadas à vulnerabilidade social e situações de violência. Nos estudos de caso, destacam-se cinco princípios presentes na ação territorial-comunitária na terapia ocupacional latino-americana: a atuação implicada no coletivo e nas relações sociais; a tessitura de redes formais e informais; a construção de vínculos através do uso das atividades; a horizontalidade e disponibilidade nas relações; e as estratégias para lidar com a vulnerabilidade social nos âmbitos micro e macrossocial. Finalmente, indicamos que o conceito território sugere uma combinação de espaço, processo e relação, superando a definição de um espaço geográfico físico. Já comunidade traz a ideia de coletividade, redes, pertencimento e identidade. Conclui-se que ambos são utilizados de forma articulada, o que pressupõe a reflexão sobre os modos de vida dos sujeitos e as relações que eles estabelecem com seus espaços de vida para busca de uma intervenção que promova a tessitura da solidariedade nos lugares como uma das finalidades da ação técnica.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional - PPGTOpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor
dc.description.sponsorshipIdCAPES: código de financiamento - 01por
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor
dc.contributor.authorlatteshttp://lattes.cnpq.br/5871384066503541por


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil