Show simple item record

dc.creatorCianciaruso, Marcus Vinicius
dc.date.accessioned2016-06-02T19:32:11Z
dc.date.available2005-06-10
dc.date.available2016-06-02T19:32:11Z
dc.date.issued2005-02-25
dc.identifier.citationCIANCIARUSO, Marcus Vinicius. Análise da vegetação em cerrado hiperestacional e estacional no Brasil Central (Parque Nacional das Emas, GO).. 2005. 78 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2111
dc.description.sponsorshipFinanciadora de Estudos e Projetos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectEcossistemapor
dc.subjectCerrado hiperestacionalpor
dc.subjectDiversidade biológicapor
dc.subjectSazonalidadepor
dc.subjectFlorísticapor
dc.subjectSavanaspor
dc.titleAnálise da vegetação em cerrado hiperestacional e estacional no Brasil Central (Parque Nacional das Emas, GO).por
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Batalha, Marco Antônio Portugal Luttembarck
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3893228815181339por
dc.creator.Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4702446D5por
dc.description.resumoO Domínio do Cerrado é a segunda região fitogeográfica brasileira, originalmente cobrindo cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, ou aproximadamente 23% do território brasileiro. O Parque Nacional das Emas (PNE) é uma das maiores e mais importantes reservas de Cerrado no Brasil e foi incluído na Lista dos Patrimônios Naturais da Humanidade por ser um dos sítios que contêm a flora, a fauna e os hábitats-chave que caracterizam o Cerrado. No Domínio do Cerrado, como o nome implica, predomina a vegetação de cerrado, cuja maior parte das fisionomias se enquadra na definição de 'savana'. Savanas são formações vegetais em que o componente herbáceo-subarbustivo é quase contínuo, interrompido apenas por arbustos e árvores em densidades variáveis, e em que os principais padrões de crescimento estão fortemente associados às estações úmida e seca alternantes. As savanas, de acordo com sua estacionalidade, podem ser divididas em: savanas semi-estacionais, savanas hiperestacionais e esteros. Em fevereiro, maio, agosto e novembro de 2003, estudamos duas comunidades vegetais no Parque Nacional das Emas, em cerrado hiperestacional e em cerrado estacional, no que diz respeito à composição florística, riqueza, diversidade, densidade, área basal e volume cilíndrico. Utilizando os dados florísticos de todas as coletas, encontramos 63 espécies, pertencentes a 18 famílias no cerrado hiperestacional e 107 espécies, pertencentes a 31 famílias no cerrado estacional. Em todas as estações a espécies dominante no cerrado hiperestacional foi a gramínes Andropogon leucostachyus e no cerrado estacional, a gramínea Tristachya leiostachya. Verificamos uma baixa similaridade florística entre os dois cerrados em todas as coletas, havendo maior variação na composição de espécies no cerrado hiperestacional ao longo do ano, em relação ao cerrado estacional. A densidade de espécies foi sempre maior no cerrado estacional e apenas no cerrado hiperestacional encontramos estacionalidade para esse descritor. A densidade de plantas somente aprensentou estacionalidade no cerrado hiperestacional, diferindo significativamente entre os tipos vegetacionais apenas em fevereiro, quando o hiperestacional estava alagado. No cerrado hiperestacional, encontramos os maiores valores de volume cilíndrico durante toda estação chuvosa e, no cerrado estacional, apenas em novembro e fevereiro. Os menores valores foram encontrados na estação seca para ambos os cerrados. A diversidade foi sempre maior no cerrado estacional. Portanto, concluímos que a comunidade do cerrado hiperestacional é mais dinâmica - florística e estruturalmente - do que a comunidade do cerrado estacional. Nossos resultados corroboram a idéia de que mudanças em curto prazo nos determinantes das savanas, como, por exemplo, a umidade disponível para as plantas, afetam tanto a composição florística quanto a estrutura dessas comunidades.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Ecologia e Recursos Naturaispor
dc.subject.cnpqCIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIApor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record