Mostrar registro simples

dc.creatorMilioni, Débora Brechesi
dc.date.accessioned2016-06-02T19:48:15Z
dc.date.available2010-02-01
dc.date.available2016-06-02T19:48:15Z
dc.date.issued2009-12-15
dc.identifier.citationMILIONI, Débora Brechesi. A experiência de trabalho de usuários de um CAPS, integrantes de um empreendimento solidário construindo vidas e possibilidades. 2009. 111 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/3211
dc.description.abstractThe objective of this study was to apprehend the experience of members of a solidary group of production of recycled paper, Recriart, in incubation process in partnership with Psychosocial Care Center (CAPS) and the Incubator of Popular Cooperatives Incoop of Universidade Federal de São Carlos. We also contextualized the group formation and operation ruled by the Solidary Economy principles. A number of 31 CAPS users from the municipal district take part in this enterprise which has been producing and commercializing products on recycled paper since 2006. It s a qualitative research that uses the theoretical reference of the Psychiatric Reform and Solidary Economy, and the methodological reference of content analysis, thematic category. The contextualization of the enterprise was accomplished through several sources of data. To apprehend the users experience we performed semi-structured interviews with 16 members of the group. All ethical care was taken. From the analysis of the interviews six thematic categories appeared: 1. Being a positive experience attributing meanings to the work in the enterprise; 2. Differentiating the work in Recriart from the previous ones from the capitalist organization to a new condition and organization of work; 3. Finding facilities and difficulties in the work of Recriart; 4. Enjoying the work in Recriart and identifying preferences; 5. Projecting the future of the enterprise expecting its growth and the members satisfaction; 6. Recognizing and thanking the support of the incubation team. The listening to the experience indicated that taking part of the enterprise makes several positive aspects possible for the members life. First of all, returning to work and, consequently, everything it means to the human being: learning, growth, maturing, mental health promotion, human development, autonomy and social and material exchanges. The solidary economy principles have shown to be pertinent to the social inclusion by the work in mental health, which reflects on the several facilities pointed out by the users, among them, the non existence of the boss and the cooperation. However, they also reported difficulties related to the production and commercialization of the products, relationships in the group, as well as to the working conditions that imply the need for improvements. Regarding to the improvements, the interviewed pointed out the need for an income raise and larger support by the incubation professionals/technicians and by public organs. In such a way, and according to the users, we suggest that this support should be made possible through the enlargement/strengthening of public policies that promote and encourage this kind of initiative on the field of mental health. This way, enterprises of that nature can reach their full development and integration with the net of solidary economy, building a more inclusive and solidary society.eng
dc.description.sponsorshipUniversidade Federal de Minas Gerais
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectSaúde mentalpor
dc.subjectReabilitação psicossocialpor
dc.subjectEconomia solidáriapor
dc.subjectDesinstitucionalizaçãopor
dc.subjectTrabalhopor
dc.subjectRendapor
dc.subjectDesinstitutionalizationeng
dc.subjectRehabilitationeng
dc.subjectSolidary economyeng
dc.subjectWorkeng
dc.subjectIncomeeng
dc.titleA experiência de trabalho de usuários de um CAPS, integrantes de um empreendimento solidário construindo vidas e possibilidadespor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Filizola, Carmen Lúcia Alves
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5877279970535914por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0317042457820135por
dc.description.resumoEste estudo teve como objetivo apreender a experiência dos integrantes de um grupo solidário de produção de papel reciclado, o Recriart, em processo de incubação entre a parceria do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) com a Incubadora de Cooperativas Populares INCOOP da Universidade Federal de São Carlos. Também contextualizamos a formação e o funcionamento desse grupo pautado nos princípios da Economia Solidária. Participam desse empreendimento 31 usuários do CAPS do município que vem, desde 2006, produzindo e comercializando produtos em papel reciclado. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que utiliza o referencial teórico da Reforma Psiquiátrica e da Economia Solidária e o referencial metodológico da análise de conteúdo, categoria temática. A contextualização do empreendimento foi realizada através de diversas fontes de dados. Para apreender a experiência dos usuários foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 16 integrantes do grupo. Todos os cuidados éticos foram tomados. Da análise das entrevistas emergiram seis categorias temáticas: 1. Sendo uma experiência positiva atribuindo significados ao trabalho no empreendimento; 2. Diferenciando o trabalho no Recriart dos anteriores da organização capitalista para uma nova condição e organização do trabalho; 3. Encontrando facilidades e dificuldades no trabalho do Recriart; 4. Gostando do trabalho no Recriart e identificando preferências; 5. Projetando o futuro do empreendimento esperando o seu crescimento e a satisfação dos integrantes (usuários); 6. Reconhecendo e agradecendo o apoio da equipe de incubação. A escuta dessa experiência indicou que fazer parte desse empreendimento possibilita vários aspectos positivos para a vida de seus integrantes. Primeiramente, o retorno ao trabalho e, por conseguinte, tudo o que o trabalho significa ao ser humano: aprendizado, crescimento, amadurecimento, promoção da saúde mental, desenvolvimento humano, autonomia e trocas sociais e materiais. Os princípios da economia solidária mostram-se pertinentes para a inclusão social pelo trabalho na saúde mental, o que reflete nas diversas facilidades apontadas pelos usuários, dentre elas, a não existência do patrão e a cooperação. No entanto, também foram encontradas dificuldades relacionadas tanto à produção e comercialização dos produtos e relacionamento no grupo, quanto às condições de trabalho que implicam em melhoras. Dentre elas, os entrevistados apontam a necessidade de aumento da renda e de maior apoio a ser concretizado pelos profissionais/técnicos de incubação e por órgãos públicos. Nesse sentido e, em acordo com os usuários, sugerimos que esse apoio deva ser viabilizado por meio da ampliação/fortalecimento de políticas públicas que fomentem e incentivem esse tipo de iniciativa no campo da saúde mental. De tal forma, empreendimentos dessa natureza poderão alcançar seu pleno desenvolvimento e integração com a rede de economia solidária, construindo uma sociedade mais inclusiva e solidária.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Enfermagempor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEMpor


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples