Show simple item record

dc.creatorToniolo, Ana Carolina
dc.date.accessioned2016-06-02T20:44:13Z
dc.date.available2014-06-30
dc.date.available2016-06-02T20:44:13Z
dc.date.issued2014-02-25
dc.identifier.citationTONIOLO, Ana Carolina. Retorno ao trabalho e transtornos mentais e do comportamento: um estudo com servidores públicos municipais. 2014. 101 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas e da Saúde) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/6879
dc.description.abstractIn Brazil, the Mental and Behavioral Disorder ranks third in number of sickness benefits provided by the National Institute of Social Security (INSS) and thus illustrate the importance of further research on the topic. The aim of this study was to know the process of return to work of municipal workers who were turned away by mental and behavioral disorders, received sickness benefit (for incapacity) and returned to work activities. Participants were seven employees of a Municipality in the State of Sao Paulo, who managed to return to work activities after being away from work for 30 days or more with a primary diagnosis of Mental and Behavioral Disorders (CID F from CID-10) in the period January 2008 to December 2012. Data collection happened in the period December 2012 to March 2013 and it accomplished through filling out a personal information and professional protocol related to the removal process and return to work and the application of a semi-structured interview which addressed questions about the process of removal and return to work. For data analysis, the technique used was Thematic Analysis. The results showed that the participants were unanimous in considering their families as the main source of support in the process of return to work activities. Regarding the reasons that led to the illness and consequent removal from work, some participants reported poor relationship with superiors and coworkers. Nevertheless, a good relationship with management and co-workers appeared to aid in the process of returning to work. The physical environment, inadequate and precarious working conditions were identified as facilitators for mental illness in workers. Participants signaled suggestions about changes in their work environments, which could make them less sick prone, and more appropriate and favorable for good employee performance. For most of the study participants there is no difference in the meaning of work in their lives prior to removal and after returning to work. The work takes on different meanings in the lives of the participants related to personal fulfillment and enjoyment, social function, means of support and space for socializing. Although all participants had undergone expert care of the INSS, none received any information or indication on the Vocational Rehabilitation Program of the INSS. It is expected that this research will contribute to the strengthening of the local network of health care worker and bring enlightenment about reinsertion of these people into the labor market and the assurance of their rights.eng
dc.description.sponsorshipFinanciadora de Estudos e Projetos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectTerapia ocupacionalpor
dc.subjectTrabalhopor
dc.subjectTranstornos mentaispor
dc.subjectRetorno ao trabalhopor
dc.subjectReadaptação ao empregopor
dc.subjectWorkeng
dc.subjectMental disorderseng
dc.subjectReturn to workeng
dc.subjectReadaptation to workeng
dc.titleRetorno ao trabalho e transtornos mentais e do comportamento: um estudo com servidores públicos municipaispor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Lussi, Isabela Aparecida de Oliveira
dc.contributor.advisor1LattesLUSSI, I. A. de O.por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5073426406391244por
dc.description.resumoNo Brasil, os Transtornos Mentais e do Comportamento ocupam o terceiro lugar em número de auxílios-doença concedidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e, assim, ilustram a importância do desenvolvimento de pesquisas sobre o tema. O objetivo do presente estudo foi conhecer o processo de retorno ao trabalho de trabalhadores municipais que foram afastados por Transtornos Mentais e do Comportamento, receberam benefício auxílio-doença (por incapacidade) e retornaram às atividades de trabalho. Participaram do estudo sete trabalhadores de uma Prefeitura Municipal do interior do estado de São Paulo, que conseguiram retornar às atividades de trabalho após serem afastados do trabalho por 30 dias ou mais com diagnóstico primário de Transtornos Mentais e do Comportamento (CID F do CID-10), no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2012. A coleta de dados aconteceu no período de dezembro de 2012 a março de 2013 e se deu por meio do preenchimento de um protocolo de informações pessoais, profissionais e referentes ao processo de afastamento e retorno ao trabalho e da aplicação de uma entrevista semiestruturada que abordou questões sobre o processo de afastamento e retorno ao trabalho. Para análise dos dados, foi utilizada a técnica de Análise Temática. Os resultados mostraram que os participantes foram unânimes em considerar suas famílias como principal fonte de suporte no processo de retorno às atividades de trabalho. Quanto aos motivos que levaram ao adoecimento e consequente afastamento do trabalho, alguns participantes relataram o mau relacionamento com chefia e colegas de trabalho. No entanto, o bom relacionamento com a chefia e com os colegas de trabalho apareceu também como auxílio no processo de retorno ao trabalho. O ambiente físico inadequado e as condições de trabalho precárias foram apontados como facilitadores de adoecimento mental nos trabalhadores. Os participantes sinalizaram sugestões sobre mudanças em seus ambientes de trabalho que poderiam torná-los menos adoecedores e mais adequados e favoráveis ao bom desempenho dos funcionários. Para a maioria dos participantes do estudo não existe diferença no sentido do trabalho em suas vidas antes do afastamento e após o retorno ao trabalho. O trabalho assume significados diversos na vida dos participantes relacionados à realização pessoal e prazer, função social, forma de sustento e espaço de socialização. Apesar de todos os participantes terem passado por atendimento pericial do INSS, nenhum recebeu qualquer informação ou indicação sobre o Programa de Reabilitação Profissional do INSS. Espera-se que esta pesquisa contribua para o fortalecimento da rede local de atenção à saúde do trabalhador e traga esclarecimento sobre a reinserção dessas pessoas no mercado de trabalho e a garantia de seus direitos.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Terapia Ocupacionalpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record