Show simple item record

dc.creatorNunes, Ana Célia
dc.date.accessioned2016-06-02T20:44:17Z
dc.date.available2015-04-27
dc.date.available2016-06-02T20:44:17Z
dc.date.issued2015-02-27
dc.identifier.citationNUNES, Ana Célia. O uso do tempo nas atividades cotidianas e a qualidade de vida de crianças de classe popular. 2015. 162 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas e da Saúde) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/6904
dc.description.abstractChildren, as well as adults, organize their daily routines based on their role in day-today activities. Studies on use of time are an important tool for the acknowledgment of daily routine of children, hence allowing us to understand habits and behaviours from various social groups. The goal of this study was to describe the use to time of children ages 9 to 12 years of age in their daily routines and quality of life. These children are from four different public schools in the city of Sao Carlos, a municipality located in the central region of the state of Sao Paulo. The study was composed of 108 children, of both genders; 60 were girls, where as 48 were boys. For data collection, we utilized Diary of Activities children s version and the Autoquestionnaire Qualité de Vie enfant Imagé AUQEI, aside from an identification form for each participant. The results from utilizing Diary of Activities children s version show that the majority of their time during weekdays and weekends was dedicated to basic daily activities related to their well being, their homes, and other children. Also noted was the time balance among school, their home chores and other children, leisure, sports, relaxation, and time for their own. These children consider their daily activities important and satisfactory. We observed a positive life quality for 77.8% of participants, being that leisure time was the best rated (98.1% of the participants considered their life quality satisfactory) and autonomy being the greatest category with the highest number of participants with an impaired life-style (72.2%). There had been correlation, regardless of modest magnitude, between the presence of satisfaction and meaning in the daily occupations and good quality of life. Despite the results pointing to a occupational balance, there was less participation in activities that required larger financial expenditure especially in the areas such as extracurricular education, sports, and leisure. The matter of having little divesity in cultural activities, sports, extracurricular activities and leisure, and the expressive amount of time spent on house chores and care of others, do not translate in a negative experience for the youngsters partaken in this study, in all, the deficits in certain areas of occupational performance serve to reassure the need for further investment and greater attention of governmental instances, of private capital and civil society for this population. This research showed the importance of the study of use of time during early childhood, being this a subject linked directly to human engagement. There is a need for further studies that deepen theoric and emperically in the transformations and tendencies of human engagement during childhood and the way how these engagements interact with the quality of life during this period in life.eng
dc.description.sponsorshipFinanciadora de Estudos e Projetos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectTerapia ocupacionalpor
dc.subjectTempo - Administraçãopor
dc.subjectInfânciapor
dc.subjectQualidade de vidapor
dc.subjectCotidianopor
dc.subjectUse of timeeng
dc.subjectQuality of life in childhoodeng
dc.subjectEveryday childreneng
dc.subjectOccupational therapyeng
dc.titleO uso do tempo nas atividades cotidianas e a qualidade de vida de crianças de classe popularpor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Emmel, Maria Luisa Guillaumon
dc.contributor.advisor1Latteshttp://genos.cnpq.br:12010/dwlattes/owa/prc_imp_cv_int?f_cod=K4787566Z9por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1558444450360823por
dc.description.resumoCrianças, assim como adultos, organizam seu cotidiano por meio do seu envolvimento em atividades comuns do dia a dia. Os estudos sobre o uso do tempo são importantes ferramentas para o conhecimento do cotidiano de crianças, pois permitem conhecer hábitos e comportamentos dos mais variados grupos sociais. O objetivo deste estudo foi descrever o uso do tempo de crianças de 9 a 12 anos em atividades cotidianas e a sua qualidade de vida. Foi realizado um estudo seccional, descritivo e correlacional com abordagem quantitativa. Participaram crianças com idades entre 9 e 12 anos, alunos de quatro escolas públicas da cidade de São Carlos, município localizado na região central do estado de São Paulo. A amostra foi composta por 108 crianças de ambos os gêneros, 60 eram do gênero feminino e 48 do gênero masculino. Para a coleta de dados foram utilizados os seguintes instrumentos: Diário de Atividades versão infantil e o Autoquestionnaire Qualité de Vie enfant Imagé AUQEI, além de uma ficha de identificação dos participantes. Os resultados obtidos com o Diário de atividades demonstraram que a maior parte do tempo das crianças durante a semana e nos finais era dedicado às atividades básicas diárias relacionadas ao cuidado com elas mesmas, com a casa e com outras crianças. Notou-se equilíbrio entre os tempos de dedicação à escola, ao cuidado com a casa e com outras pessoas, tempos livres de lazer, diversão, esporte e descanso e as atividades de cuidados consigo mesmo. As crianças consideram as atividades do seu cotidiano significativas e satisfatórias. Foi observada boa qualidade de vida para 77,8% dos participantes, sendo o lazer o domínio melhor avaliado (98,1% dos participantes referiu qualidade de vida satisfatória) e autonomia o domínio com a maior quantidade de participantes com qualidade de vida prejudicada (72,2%). Houve correlação positiva, ainda que de magnitude modesta, entre a presença de satisfação e significado nas ocupações cotidianas e a boa qualidade de vida. Apesar dos resultados do inquérito do tempo apontar para um equilíbrio ocupacional notou-se pouca participação em atividades que necessitam de maior despendimento financeiro, principalmente em áreas como educação extraescolar, esporte e lazer. O fato de haver pouca diversidade de atividades culturais, esportivas, atividades extraescolares e de lazer, e a quantidade expressiva de tempo gasto com o cuidado da casa e com o cuidado com outros, não se configuraram em experiências negativas de vida para a população infantil economicamente desfavorecida participante deste estudo, contudo, os déficits encontrados em certas áreas de desempenho ocupacional servem para reafirmar a necessidade de mais investimento e maior atenção das instâncias governamentais, do capital privado e da sociedade civil para esta população. Este trabalho mostrou a importância do estudo do uso do tempo na infância, sendo este um tema com relação direta com a ocupação humana. Torna-se necessária a realização de mais estudos que se aprofundem teórica e empiricamente nas transformações e tendências das ocupações humanas na infância e a forma como estas ocupações se relacionam com a qualidade de vida nesse período da vida.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Terapia Ocupacionalpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record