Show simple item record

dc.creatorOliveira, Nathalia Alves de
dc.date.accessioned2016-09-23T18:34:33Z
dc.date.available2016-09-23T18:34:33Z
dc.date.issued2016-02-26
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7409
dc.description.abstractChanges in socio-cultural profiles added to increasing number in the elderly population have favored the formation of new family compositions in the presence of elderly and children. In this context the elderly has become known for taking care for other elderly and children. This new configuration that has the elderly protagonist can take to an excess of competing demands and induce burden, on contrary, the child's presence can increase positive feelings such as optimism and assist in the choice of coping strategies. This study aimed to compare the level of burden, optimism and coping strategies of elderly caregivers of elderly residing with and without the presence of children. The study was based on the quantitative method of research and all ethical guidelines were followed. There were interviewed 301caregivers elderly registered in the Family Health Units in a municipality in São Paulo state. The instruments used were: Scale independence in activities of daily living Katz; Scale of instrumental activities of daily living Lawton; Socio-demographic characterization of the child; Sociodemographic and of care of elderly receivers care, sociodemographic and health conditions of the elderly caregiver, Zarit Burden Intervew, Pinto Spirituality Scale and Pais-Ribeiro and Inventory to assess coping strategies. For data analysis elderly caregivers were divided into two groups G1 (residing without children) and G2 (living with children). The results show that most of the children were male (52.6%) with a mean age of six. Among elderly caregivers in both groups there was prevalence of woman (G1 = 74.3%; G2 = 81.8%), the median age in G1 was 69 years and 65.5 years in G2. Among the elderly care recepients, most were male (66.9% G1 = G2 = 77.3%) with a median age of 73 years in G1 and 69 years in G2. Elderly caregivers in G2 showed significantly higher level of burden compared to G1 (p = 0.01). The level optimism was high for both groups and there were no significant differences between them. In the analysis of coping strategies elderly caregivers in G1 reported using more focused strategies in the expression of negative emotions (p <0.01), religiosity (p = 0.01) and inhibition of negative emotions (p = 0.01) compared to G2. The results reveal important data that contribute the valiation of the elderly caregiver in an intergenerational context and can support the planning of interventions for caregivers in primary care settings.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.description.sponsorshipFundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectIdosopor
dc.subjectCriançapor
dc.subjectCuidadorespor
dc.subjectGerontologiapor
dc.subjectAgeeng
dc.subjectChildeng
dc.subjectCaregiverseng
dc.subjectGerontologyeng
dc.titleIdosos cuidadores de idosos em arranjos familiares com e sem a presença de crianças : sobrecarga, otimismo e estratégias de enfrentamentopor
dc.title.alternativeElderly caregivers of elderly in family arrangements with and without the presence of children: Burden, optimism and coping strategies.eng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Pavarini, Sofia Cristina Iost
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1983620301963081por
dc.contributor.advisor-co1Inouye, Keika
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7558935747100052por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2526565658961846por
dc.description.resumoAlterações no perfil sociocultural e aumento do número de idosos na população têm favorecido a formação de novas composições familiares com a presença de idosos e crianças. Neste contexto, os idosos têm se destacado por assumirem o cuidado a outros idosos e às crianças. Esta nova configuração que tem o idoso como protagonista pode levá-lo a um excesso de demandas competitivas e induzir à sobrecarga, ou ao contrário, a presença da criança pode aumentar sentimentos positivos como o otimismo e auxiliar na escolha por estratégias de enfrentamento. Este estudo teve por objetivo comparar o nível de sobrecarga, otimismo e as estratégias de enfrentamento de idosos cuidadores de idosos que residem com e sem a presença de crianças. O estudo baseou-se no método quantitativo de investigação e todos os cuidados éticos foram respeitados. Foram entrevistados nos domicílios 301 idosos cuidadores cadastrados nas Unidades de Saúde da Família de um município do interior paulista. Os instrumentos utilizados foram: Escala de independência em atividades de vida diária de Katz; Escala de atividades instrumentais de vida diária de Lawton; Caracterização sociodemográfica da criança; Caracterização sociodemográfica e de cuidado do idoso receptor de cuidados, Caracterização sociodemográfica e condições de saúde do idoso cuidador, Escala de sobrecarga de Zarit, Escala de Espiritualidade de Pinto e Pais-Ribeiro e Inventário para avaliação das estratégias de enfrentamento. Para análise dos dados os idosos cuidadores foram divididos em dois grupos G1(residiam sem crianças) e G2 (residiam com crianças). Os resultados evidenciaram que a maioria das crianças era do sexo masculino (52,6%) com média de seis anos de idade. Entre os idosos cuidadores nos dois grupos houve prevalência do sexo feminino (G1=74,3%; G2=81,8%), a mediana de idade no G1 foi de 69,0 anos e no G2 de 65,5 anos. Dentre os idosos receptores de cuidado a maioria era do sexo masculino (G1=66,9% G2=77,3%) com mediana de idade no G1 de 73,0 anos e no G2 de 69,0 anos. Idosos cuidadores do G2 apresentaram nível significamente maior de sobrecarga comparado ao G1 (p=0,01). O nível otimismo foi elevado para ambos os grupos e não foram encontradas diferenças significativas entre eles. Na análise das estratégias de enfrentamento, os idosos cuidadores do G1 reportaram utilizar mais estratégias focadas na expressão de emoções negativas (p<0,01), religiosidade (p=0,01) e inibição de emoções negativas (p=0,01), comparados ao G2. Os resultados revelam dados importantes à medida que contribuem para avaliação do idoso cuidador em um contexto intergeracional e podem subsidiar o planejamento de intervenções para cuidadores na atenção básica.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Enfermagem - PPGEnfpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS BIOLOGICASpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEMpor
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record