Show simple item record

dc.creatorSouza, Letícia Ramos de
dc.date.accessioned2017-05-03T13:36:28Z
dc.date.available2017-05-03T13:36:28Z
dc.date.issued2016-02-29
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8704
dc.description.abstractBackground: The leisure physical activity has been linked to a number of benefits to health and the cardiovascular system. On the other hand, a high level of physical activity at work may be related to higher rates of cardiovascular disease and mortality in general. Thus, assessment of heart rate variability (HRV) in construction and office workers can provide information about the role of work in the cardiac autonomic modulation and hence the risk of cardiovascular disordes. Objective: To compare the autonomic modulation of heart rate in construction workers and office in supine and standing during the maneuver of respiratory sinus arrhythmia. Methods: The study inclued 34 male workers aged between 18 and 59 years. Exclusion criteria were: hypertension, diabetes mellitus, obesity, drug use and dyslipidemia. Participants underwent clinical evaluation, quality of life (SF-36), level of habitual physical activity (Baecke), Beck Depression Inventory (BDI), Beck Anxiety Inventory (BAI), stress (SRQ- 20), fatigue (Bipolar) and quality of sleep Pittsburgh (IQPS). The RR intervals were obtained by a heart rate monitor supine, standing and during the operation of respiratory sinus arrhythmia. Data analysis was done descriptively and through analysis of variance (ANOVA two way), considering the groups and assessment positions as independent variables and indices for HRV as dependent variables. Analyses were performed using SPSS software, with 5% significance level. Results: There were differences between the groups only for 2ULV index, and the group of construction workers showed greater parasympathetic modulation in relation to office workers group. There were differences between the positions for most of the indices, except for SDNN, BF, ES and 2LV. Conclusion: This study showed that the sedentary group has more sympathetic modulation in the supine position, which may be related to the lower complexity of HRV in this population.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectFisioterapiapor
dc.subjectAtividade físicapor
dc.subjectExposição ocupacionalpor
dc.subjectVariabilidade da frequência cardíacapor
dc.subjectModulação autonômica da frequência cardíacapor
dc.subjectPhysical therapyeng
dc.subjectPhysical activityeng
dc.subjectOccupational exposureeng
dc.subjectHeart rate variabilityeng
dc.subjectAutonomic modulation og heart rateeng
dc.titleVariabilidade da frequência cardíaca em trabalhadores da construção civil e de escritóriopor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Sato, Tatiana de Oliveira
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3456494998257229por
dc.contributor.advisor-co1Silva, Ester da
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0120120410847507por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1835862119340843por
dc.description.resumoContextualização: A atividade física no lazer tem sido associada a uma série de benefícios à saúde e ao sistema cardiovascular. Por outro lado, um alto nível de atividade física no trabalho pode estar relacionado à maior ocorrência de doenças cardiovasculares e mortalidade em geral. Assim, a avaliação da variabilidade da frequência cardíaca (VFC) em trabalhadores da construção civil e de escritório pode fornecer informações sobre o papel do trabalho na modulação autonômica cardíaca e, consequentemente, no risco de distúrbios cardiovasculares. Objetivo: Comparar a modulação autonômica da frequência cardíaca em trabalhadores da construção civil e de escritório nas posições supina, ortostática e durante a manobra de arritmia sinusal respiratória. Métodos: Participaram deste estudo 34 trabalhadores do gênero masculino com idade entre 18 e 59 anos. Os critérios de exclusão foram: hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, obesidade, uso de medicamentos e dislipidemia. Os participantes foram submetidos à avaliação clínica, da qualidade de vida (SF-36), nível de atividade física habitual (Baecke), inventário de depressão de Beck (BDI), inventário de ansiedade de Beck (BAI), estresse (SRQ-20), fadiga (Bipolar) e qualidade do sono de Pittsburgh (IQPS). Os intervalos RR foram captados por meio de um cardiofrequencímetro na posição supina, ortostática e durante a manobra de arritmia sinusal respiratória. A análise dos dados foi realizada de forma descritiva e por meio da análise de variância (ANOVA two way), considerando os grupos e as posições de avaliação como variáveis independentes e os índices SDNN, RMSSD, análise espectral, entropia de shannon, entropia condicional e análise simbólica como variáveis dependentes. As análises foram realizadas no software SPSS, com nível de significância de 5%. Resultados: Houve diferença entre os grupos apenas para o índice 2ULV, sendo que o grupo de trabalhadores da construção civil apresentou maior modulação parassimpática em relação ao grupo de trabalhadores de escritório. Houve diferença entre as posições para os índices RMSSD, AF, BF/AF, BFnu, IC, 0V, 1V, 2ULV. Conclusão: O presente estudo mostrou que o grupo de trabalhadores da construção civil apresentou menor modulação simpática na posição supina, a qual pode estar relacionada com a maior complexidade da VFC nessa população.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Fisioterapiapor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record