Show simple item record

dc.creatorMarini, Bruna Pereira Ricci
dc.date.accessioned2017-06-05T18:00:55Z
dc.date.available2017-06-05T18:00:55Z
dc.date.issued2017-02-10
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8832
dc.description.abstractEarly Intervention is constituted as an important tool for prevention, identification and intervention in conditions that offer risks to child development. Since the emergence of the first programs dating back to the 1960s, there were a number of conceptual and theoretical developments which culminated in the recognition of the systemic, ecological and family-centered model, as it produces better effects. In Brazil, the Early Intervention practices appear to develop highly focused on the needs of children, prioritizing interventions guided in their problems and developed from a rehabilitative model. It also observes that, despite the relevance of the theme, the scientific literature is scarce, which points to the need for further investigation. In this context, this study aimed to identify the practices developed by the Early Intervention services for children from zero to five years, in the state of São Paulo. This is a cross-sectional, descriptive and exploratory study with a qualitative approach. Participants were selected through non-probability sampling for convenience, in the case of professional staff working in services for children between zero and five years, located in the area covered by the Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância. The study was developed in two stages, the first identification and characterization of early intervention services and the second identification of early intervention practices developed for services previously selected from the first stage. Data were collected through questionnaires (first stage) and interview (second stage). For the analysis of data from the questionnaires was used the methodology of descriptive statistics and analysis of the interviews content analysis methodology, the thematic analysis mode. The results of this study corroborate with the descriptions in the national scientific literature showing that Early Intervention practices remain being developed within the rehabilitation model, geared to the deficits presented by the children. In this context, the participation of families in the services proved to be limited because of the hegemonic role played by professionals in relation to the intervention process. It also revealed the existence of differences between the recommended practices in the child care networks and those that, in fact, are developed by the services. Regarding the existence of practices implemented in the natural context of the child, the results showed that these have been limited to observations and guidelines. Finally, the study identified a number of gaps in the process of training and continuing education of professionals that working in Early Intervention, a factor that can directly impact on the quality and the implemented practice model. From these results, the possibilities and challenges for the approximation between current practices and those recommended internationally are discussed, based on IP literature and national child care policies.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectDesenvolvimento infantilpor
dc.subjectIntervenção precocepor
dc.subjectFamíliapor
dc.subjectServiços de intervenção precocepor
dc.subjectChild developmenteng
dc.subjectEarly interventioneng
dc.subjectChildhoodeng
dc.subjectFamilyeng
dc.subjectEarly childhood intervention serviceseng
dc.titleAs práticas de intervenção precoce no estado de São Paulopor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Barba, Patrícia Carla de Souza Della
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6448489426438006por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2001819857612181por
dc.description.resumoA Intervenção Precoce constitui-se como uma importante ferramenta para prevenção, identificação e intervenção sobre condições que ofereçam riscos ao desenvolvimento infantil. Desde o surgimento dos primeiros programas, datados da década de 1960, ocorreram uma série de transformações conceituais e teóricas, que culminaram no reconhecimento do modelo sistêmico, ecológico e centrado na família, como o que produz melhores efeitos. No Brasil, as práticas de Intervenção Precoce parecem desenvolver-se eminentemente centradas nas necessidades das crianças, priorizando intervenções pautadas em suas problemáticas e desenvolvidas a partir de um modelo reabilitativo. Observa-se ainda que, apesar da relevância da temática, a literatura científica é escassa, o que aponta para a necessidade de maiores investigações. Nesse contexto, o presente estudo teve por objetivo identificar as práticas desenvolvidas pelos serviços de Intervenção Precoce destinados a crianças de zero a cinco anos, no estado de São Paulo. Trata-se de um estudo transversal, descritivo e exploratório, com abordagem quali-quantitativa. Os participantes foram selecionados por meio de amostragem não-probabilística por conveniência, tratando-se de equipes de profissionais que atuam em serviços destinados a crianças entre zero e cinco anos, localizados na área de abrangência do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância. O estudo desenvolveu-se em duas etapas, sendo a primeira de identificação e caracterização dos serviços de Intervenção Precoce e a segunda de identificação das práticas de Intervenção Precoce desenvolvidas por serviços previamente selecionados a partir da primeira etapa. Os dados foram coletados por meio de questionários (primeira etapa) e entrevista (segunda etapa). Para a análise dos dados dos questionários foi empregada a metodologia de estatística descritiva e para análise das entrevistas a metodologia de análise de conteúdo, na modalidade análise temática. Os resultados desse estudo corroboram com as descrições apresentadas na literatura científica nacional, evidenciando que as práticas de Intervenção Precoce permanecem sendo desenvolvidas dentro do modelo de reabilitação, mais claramente voltado aos déficits/diagnósticos apresentados pelas crianças. Nesse contexto, a participação das famílias nos serviços mostrou-se limitada em virtude do papel hegemônico assumido pelos profissionais em relação ao processo de intervenção. Evidenciou-se ainda a existência de divergências entre as práticas preconizadas no âmbito das redes de atenção à criança e aquelas que, de fato, são desenvolvidas pelos serviços. Em relação à existência de práticas implementadas nos contextos naturais da criança, os resultados demonstraram que essas têm se limitado à observações e orientações. Finalmente, o estudo identificou algumas lacunas existentes no processo de formação e formação continuada dos profissionais que atuam em Intervenção Precoce, fator que pode impactar diretamente sobre a qualidade e o modelo de prática implementado. A partir desses resultados, discute-se, com base na literatura da IP e nas políticas nacionais de atenção à criança, as possibilidades e desafios para a aproximação entre as práticas atualmente desenvolvidas e aquelas recomendadas internacionalmente.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional - PPGTOpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record