Mostrar registro simples

dc.creatorFerreira, Natasha Reis
dc.date.accessioned2017-08-23T19:54:09Z
dc.date.available2017-08-23T19:54:09Z
dc.date.issued2017-02-17
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/9070
dc.description.abstractYouth, period of transition to adulthood, range from 15 to 29 years. About 6 million young Brazilians have at least one disability, and even after promulgating policies focused primarily on education, their levels of education and participation in work is lower than compared to people without disabilities. In this way, it is important to establish policies, programs and actions to guarantee their rights to social participation. The study's purpose was identify the opportunities and barriers for the social participation of young people with disabilities disengaged from school, by dropping out or completing a course, and hypothesized that these opportunities are scarce, especially after disengaged. It's a qualitative study, which included documentary research on the actions aimed at the social participation of young people, held in secretariats of the city of São Carlos, interviews and recording of daily life by young people with disabilities disengaged from regular school between 2005 and 2010. The young people were found through the Municipal Council of the Person with Disabilities of the municipality and by appointment of their peers, being contacted in two stages. In the interview, the questions dealt with daily and social participation activities (work, study, leisure), being carried out in the homes, work or public space with 4 men interviewed. The second stage consisted of the participants daily knowledge through photographs taken by the interviewees based on the photovoice method. With the survey of actions, a response was obtained from six of the nine municipal secretariats, in which the Secretariat of Labor, Employment and Income and the Person with Disabilities and Reduced Mobility presented actions aimed at the general public. There were few specific actions for young people, especially those with disabilities. In order to understand the possible social participation paths in the municipality, maps were created with registration of the opportunities (work, leisure, elementary and secondary education, health units, collective transport, among other elements), also indicating the residence region of the participants. The speech of three interviewees indicated that the negative school experiences, besides marking the school life, were decisive in the trajectories of participation. The hypothesis that the disengagement from the school environment influences social participation can be confirmed by a respondent. The information from the maps, speeches and registers confirm the fact that the social participation of young people with disabilities is hampered by the greater concentration of opportunities in the central region of the municipality as by perceived obstacles in access and accessibility.eng
dc.description.sponsorshipNão recebi financiamentopor
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectParticipação socialpor
dc.subjectJuventudepor
dc.subjectDeficiênciapor
dc.subjectTerapia ocupacionalpor
dc.subjectSocial participationeng
dc.subjectYoutheng
dc.subjectDisabilityeng
dc.subjectOccupational therapyeng
dc.titleJovens com deficiência : estudo de percursos de participação social no município de São Carlos, SPpor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Oliver, Fátima Corrêa
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1370450030646953por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9840012665188699por
dc.description.resumoA juventude, período de transição para a vida adulta, abrange idades entre 15 e 29 anos. Aproximadamente 6 milhões de jovens brasileiros têm pelo menos uma deficiência e, mesmo após a promulgação de políticas voltadas principalmente à educação, existem defasagens em seus níveis de instrução e participação no trabalho quando comparados às pessoas sem deficiência. Dessa maneira, é importante a constituição de políticas, programas e ações para a garantia de seus direitos à participação social. Este estudo teve como objetivo identificar as oportunidades e barreiras para a participação social de jovens com deficiência desvinculados da escola, por desistência ou conclusão de curso, e teve como hipótese que essas oportunidades são escassas, principalmente, após a desvinculação escolar. É um estudo de abordagem qualitativa, que incluiu pesquisa documental sobre as ações voltadas à participação social dos jovens, realizadas em secretarias do município de São Carlos, como também entrevistas e registro do cotidiano por jovens com deficiência desvinculados da escola regular entre 2005 e 2010. Os jovens foram encontrados por meio do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência do município e por indicação de seus pares, sendo contatados em duas etapas. Na entrevista, as questões versaram sobre o cotidiano e atividades de participação social (trabalho, estudo, lazer), sendo realizada nos domicílios, trabalho ou espaço público com 4 entrevistados homens. A segunda etapa consistiu no conhecimento do cotidiano dos participantes por meio de fotografias realizadas pelos entrevistados com base no método photovoice. Com o levantamento de ações, obteve-se resposta de seis das nove secretarias municipais, no qual a Secretaria de Trabalho, Emprego e Renda e da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida apresentaram ações voltadas ao público alvo de forma geral. Observou-se poucas ações específicas para a juventude, sobretudo para aquela com deficiência. Para entender os percursos de participação social possíveis no município foram construídos mapas com registro das oportunidades (trabalho, lazer, ensino fundamental II e médio, unidades de saúde, transporte coletivo, entre outros elementos), sendo também sinalizada a região de moradia dos participantes. O discurso de três entrevistados indicou que as experiências escolares negativas, além de marcarem a vida escolar, mostraram-se decisivas nos percursos de participação trilhados. A hipótese de a desvinculação do ambiente escolar influenciar na participação social pôde ser confirmada por um entrevistado. As informações dos mapas, falas e registros confirmam o fato da participação social de jovens com deficiência ser prejudicada pela maior concentração das oportunidades na região central do município como pelos obstáculos percebidos no acesso e acessibilidade.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Terapia Ocupacionalpor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONALpor
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples