Show simple item record

dc.creatorSantos, Felipe Calleres Amaral dos
dc.date.accessioned2016-06-02T20:13:16Z
dc.date.available2015-03-23
dc.date.available2016-06-02T20:13:16Z
dc.date.issued2015-02-23
dc.identifier.citationSANTOS, Felipe Calleres Amaral dos. A teoria da sensação no De anima de Aristóteles: a apreensão dos sensíveis próprios e comuns. 2015. 88 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/4889
dc.description.abstractAccording to Aristotle, sensation is a process in which the sense becomes similar to the sensible. In order to explain this transition from dissimilarity to similarity it is required that one grasps that sensation is a kind of alteration. It is an affection which can be better described as preservation of what is potential (the sense) by what is actual (the sensible). In order to do so, the sense must be constituted in a similar manner in respect of the intermediary which needs to be between the sense and the sensible. So construed, the affection that explains sensation introduces two main characteristics: it establishes a threshold for the intensity of the sensible and it sets how the sense-organs should be composed. They must grasp the sensible without causing the destruction of the senses potentiality, since the intermediary is always something that enables the sensible to appear through it. Sensation as an affection explains primarily the affection of one of the sense objects, namely, the proper sensible. So, it stands as a difficulty how another kind of sense object is grasped: the common sensible. The senses are not physiologically constituted to perceive the common sensible. It happens that common sensibles accompany the proper sensibles, so there is a specific capacity to perceive them, and this capacity is shared by all five senses.eng
dc.description.sponsorshipFinanciadora de Estudos e Projetos
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectAristótelespor
dc.subjectSentidos e sensaçõespor
dc.subjectSensationeng
dc.subjectAristotleeng
dc.subjectSense objectseng
dc.subjectCommon sensibleeng
dc.subjectProper sensibleeng
dc.titleA teoria da sensação no De anima de Aristóteles: a apreensão dos sensíveis próprios e comunspor
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Lopes, Marisa da Silva
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5427042421727621por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8326204205221180por
dc.description.resumoPara Aristóteles, a sensação é um processo no qual o sentido se torna semelhante ao sensível. Para explicar a passagem da dessemelhança à semelhança é preciso compreender que a sensação é um tipo de alteração. Trata-se de uma afecção em que o ser em potência (o sentido) é preservado pelo ser em ato (o sensível). Assim compreendida, a afecção que descreve a sensação apresenta duas características principais: estabelece um limite dentro do qual a sensação é possível e apresenta um padrão para a constituição dos órgãos dos sentidos. Estes devem poder apreender os sensíveis sem que essa apreensão implique na perda da potencialidade dos sentidos. Para isso, os sentidos devem ser constituídos de maneira semelhante ao meio que se interpõe entre o sentido e o sensível, pois o meio é sempre algo que permite aos sensíveis aparecerem através dele. A sensação descrita como uma afecção explica primordialmente a afecção de um dos objetos dos sentidos, a saber, os sensíveis próprios. Então, se coloca como problemática a apreensão dos sensíveis comuns, já que os órgãos dos sentidos não são constituídos com a finalidade de percebê-los. Ocorre que os sensíveis comuns acompanham os sensíveis próprios, de modo que sua apreensão se dá por uma capacidade específica que é compartilhada pelos cinco sentidos.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Filosofia e Metodologia das Ciênciaspor
dc.subject.cnpqCIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIApor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record