Show simple item record

dc.creatorGama, Viviane Dutra
dc.date.accessioned2019-08-08T18:29:02Z
dc.date.available2019-08-08T18:29:02Z
dc.date.issued2019-04-18
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/11653
dc.description.abstractThere is no consensus on the literature regarding the definition of Parental Alienation (PA), fact that hinders the measurement, assessment and research of the phenomenon. Despite that, Brazil has a law that punishes the practice of alienation although this phenomenon is not well documented on academic circles yet. Considering the conceptual frame on PA and its specificity in the Brazilian context, the present study had two main goals, presented in two articles: 1) to propose an operational definition of the PA concept based an a ten-year systematic literature review, and 2) to investigate the knowledge of Psychology students on PA and to compare their answers in simulated alleged PA cases with the answers from psychologists. The search was conducted on 5 databases and 339 articles were found. Sixty-three papers were analyzed considering the definitions and use of PA and Parental Alienation Syndrome (PAS), authors’ attitudes towards PAS and recognition of PA as a modality of psychological abuse. Additionally, analysis and functional classification of parental alienation strategies mentioned on the articles was conducted. From the literature reviewed, Parental Alienation can be defined as a modality of psychological violence or abuse perpetrated against the child by a parent, caretaker, or family member, in which the behaviors emitted by the alienating member have the function of showing hostility and/or estranging the child from the alienated part. Ninety-one Psychology students participated on the research that involved collecting empirical data. Participants answered an online survey that assessed their familiarity with the PA concept, factors considered important and procedures they would use when conducting PA assessment. In addition, vignettes containing PA simulated cases were presented. The number of professionals who answered the vignettes varied between 42 to 58 and their answers were previously collected and registered on a database. In terms of students` knowledge, the results indicated that 72.5% of them reported to be familiar with the PA concept. Students were more accurate in evaluating the vignette involving a possible PA case, while professionals evaluated the case where PA allegations occurred simultaneously to sexual abuse allegations in a more accurate way. Given the reported results, one may conclude that the field of PA is characterized by strong conceptual divergences. As a consequence, the assessment of this phenomenon is a challenge both for forensic professionals and students.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.description.sponsorshipFundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectAlienação parentalpor
dc.subjectRevisão conceitualpor
dc.subjectEstudantes universitáriospor
dc.subjectCasos simuladospor
dc.subjectParental alienationeng
dc.subjectConceptual revieweng
dc.subjectCollege studentseng
dc.subjectSimulated caseseng
dc.titleAlienação parental: revisão conceitual e comparação do conhecimento de profissionais e estudantes de psicologiapor
dc.title.alternativeParental alienation: literature review and comparison of knowledge from psychology students and professionalseng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Williams, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6962646759651464por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9417498325075251por
dc.description.resumoNão há na literatura um consenso a respeito da definição de Alienação Parental (AP), o que traz prejuízos relacionados à mensuração, avaliação e pesquisa de tal fenômeno. A despeito disso, o Brasil possui uma lei que tipifica e pune a prática de alienação mesmo que este fenômeno ainda não esteja suficientemente investigado no âmbito acadêmico. Considerando o panorama conceitual da AP e a especificidade do contexto brasileiro, o presente projeto consistiu em dois estudos com dois objetivos gerais, apresentados e desenvolvidos em artigos. São eles: 1) propor uma definição operacional do conceito de AP com base na revisão sistemática de dez anos de literatura e 2) investigar os conhecimentos de estudantes de Psicologia sobre AP e comparar suas respostas a simulações de caso envolvendo AP com as de profissionais de Psicologia. Para a revisão foram consultadas 5 bases de dados e resultaram da busca 339 artigos, dos quais 63 foram analisados considerando definições e usos dos conceitos AP e Síndrome de Alienação Parental (SAP), postura dos autores em relação à SAP e reconhecimento da AP como prática de abuso emocional. Foi, também, realizada análise e classificação funcional das estratégias de alienação parental descritas nos textos. A partir da literatura revista, é possível definir Alienação Parental como uma modalidade de violência psicológica perpetrada contra a criança por um dos pais, guardiões ou familiares, na qual os comportamentos emitidos pela parte alienadora têm como função hostilizar a parte alienada de modo a afastá-la do convívio com a criança. O estudo que envolveu coleta de dados empíricos contou com a participação de 91 estudantes de Psicologia, que responderam à uma survey online buscando investigar sua familiaridade com o conceito de AP, fatores considerados importantes e procedimentos que utilizariam em avaliações de AP. Além disso, eram apresentadas Vinhetas com casos simulados. O número de profissionais que responderam às vinhetas variou de 42 a 58 e suas respostas já se encontravam previamente coletadas e armazenadas em banco de dados. Os resultados relativos ao conhecimento dos estudantes indicaram que 72,5% dos mesmos reportaram familiaridade com o termo AP. Na resposta às vinhetas, estudantes foram mais acurados na avaliação do caso que possivelmente se tratava de AP, enquanto os profissionais avaliaram de maneira mais satisfatória a vinheta na qual haviam alegações de abuso sexual infantil de modo simultâneo às alegações de AP. De modo geral os estudantes se declaram familiares ao conceito de AP. Entretanto, quando o fenômeno envolvia a interface com outras formas de maus-tratos, profissionais realizam avaliações mais acuradas sobre o fenômeno do que estudantes. Considerando os resultados obtidos, é possível afirmar que o campo da AP é marcado por intensas divergências conceituais inclusive no âmbito internacional, consequentemente a avaliação de tal fenômeno representa um desafio, tanto para profissionais do judiciário, quanto para profissionais em formação.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Psicologiapor
dc.subject.cnpqCIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::TRATAMENTO E PREVENCAO PSICOLOGICApor
dc.description.sponsorshipIdFAPESP: 2017/00685-4por
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record