Show simple item record

dc.creatorVieira, Susane Vitória Gonçalves
dc.date.accessioned2020-02-04T12:29:31Z
dc.date.available2020-02-04T12:29:31Z
dc.date.issued2019-06-07
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12215
dc.description.abstractTheory of Mind is the ability to attribute mental states to self and other individuals which, in turn, allows one to predict human behavior. Researchers who base their work on Relational Framing Theory claim that Perspective Taking is the core of Theory of Mind. Perspective Taking is based on a particular pattern of relational deictic response established by training I-You, Here-There, Now-Than frames. Few studies so far investigated the relation between Perspective Taking training and performance in Theory of Mind tasks, and findings are divergent. The present work aimed to test if adaptations in Perspective Taking Protocol (RFT-PT), such as the use of prompts, can be useful for teaching relational responding. The second goal was to test if this version of the protocol improves Brazilian preschoolers’ performance in Theory of Mind tasks. Two studies were conducted. In each study, two 4-year-old children with poor performance in Theory of Mind tasks participated. The procedure in both studies included Theory of Mind tasks before and after the RFT-PT application. The protocol consisted in teaching two of the three levels of deictic relational complexity: simple and reverse levels. Blocks of trials were used to teach the three frames according to the relational level. Pre-test and post-test were conducted to assess the learning of relational responding by all four participants. In the first study, the number of trials per level was higher, in addition, the trials were first presented with physical prompts and then without any prompt. One participant presented difficulty at the simple level and the other one at the reverse level. Both completed the procedure in the second reverse level training block. The prompts did not prove to be efficient for the teaching of relational deictic responding. Additionally, no differences were found between the initial and final Theory of Mind and PT-RFT measures. Based on the first study, other modifications were made to the second study, such as the gradual withdrawal of prompts and reduction of number of trials at the reverse level. Only one participant completed the procedure. After the reverse level training, the participant reached post-test learning criterion only in the Now-Than frame. There was no change in Theory of Mind performance between pre-test and post-test tasks. In summary, participants in the present study had difficulty responding to the protocol even with the help of prompts. Additionally, perspective taking training was not followed by improvement in participants' performance. These results suggest that the original protocol may not be appropriate for some children and that new directions of investigation should be explored.eng
dc.description.sponsorshipNão recebi financiamentopor
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rightsAttribution-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/*
dc.subjectResponder relacional dêiticopor
dc.subjectTomada de perspectivapor
dc.subjectTeoria da mentepor
dc.subjectRelational deicticresponseeng
dc.subjectPerspective takingeng
dc.subjectTheory of mindeng
dc.titleEfeitos do ensino do responder relacional dêitico sobre o desempenho de crianças pré-escolares em tarefas de teoria da mentepor
dc.title.alternativeEffects of teaching deictic relational responding on preschoolers’ performance in theory of mind taskseng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Souza, Débora de Hollanda
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3640676759708745por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2181974320339110por
dc.description.resumoA teoria da mente é a habilidade de atribuir estados mentais a si e a outros indivíduos o que, por sua vez, permite a alguém prever comportamentos humanos. Pesquisadores que fundamentam seu trabalho na Teoria das Molduras Relacionais afirmam que a Tomada de Perspectiva é o núcleo da Teoria da Mente. A Tomada de Perspectiva baseia-se em um padrão particular de responder relacional dêitico estabelecido através do treino das molduras Eu-Você, Aqui-Aí, Agora- Em outro momento. Poucos estudos têm avaliado a relação entre o exercício da Tomada de Perspectiva e o desempenho nas tarefas de Teoria da Mente, e os resultados encontrados são divergentes. O presente trabalho teve como objetivo verificar se adaptações no Protocolo de Tomada de Perspectiva (RFT-PT), tais como inserção de dicas, podem ser úteis para o ensino do responder relacional dêitico. O segundo objetivo foi o de averiguar se esta versão do protocolo melhora o desempenho de crianças pré-escolares brasileiras em tarefas de Teoria da Mente. Para tanto, dois estudos foram realizados. Em cada estudo, participaram 2 crianças de 4 anos com baixo desempenho em tarefas de Teoria da Mente. O procedimento, em ambos os Estudos, incluiu a aplicação das tarefas de Teoria da Mente antes e depois da aplicação do RFT-PT. A aplicação do protocolo consistiu no ensino de dois dos três níveis de complexidade relacional dêitico: simples e reverso. Blocos de tentativas foram utilizados para o ensino das três molduras de acordo com o nível relacional. Pré-teste e pós-teste foram aplicados para avaliar a aprendizagem do responder relacional dêitico pelo RFT-PT dos quatro participantes. Dois estudos foram realizados, no primeiro estudo o número de tentativas por nível foi aumentado, além disso, as tentativas foram primeiramente apresentadas com dicas físicas e depois sem dicas. Um participante apresentou dificuldade no nível simples e o outro no nível reverso. Ambos encerraram a coleta no segundo bloco de treino do nível reverso. As dicas não se mostraram eficientes para o ensino do responder relacional dêitico. Além disso, não foram encontradas diferenças entre as medidas iniciais e finais das Tarefas de Teoria da Mente e do RFT-PT. Com base no primeiro estudo, outras modificações foram realizadas para o segundo estudo, como a retirada gradual das dicas e diminuição das tentativas no nível reverso. Somente um participante concluiu o procedimento até o nível reverso. Após o treino do nível reverso, o participante atingiu critério de aprendizagem no pós-teste somente na moldura temporal. Não houve alteração no desempenho nas tarefas de Teoria da mente entre o pré-teste e o pós-teste. Em resumo, os participantes do presente estudo apresentaram dificuldade para responder ao protocolo mesmo com ajuda. Além disso, o treino de tomada de perspectiva não foi seguido por melhora no desempenho dos participantes. Esses resultados sugerem que o protocolo original pode não ser adequado para algumas crianças e que novas direções de investigação devem ser exploradas.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPsipor
dc.subject.cnpqCIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO::PROCESSOS PERCEPTUAIS E COGNITIVOS; DESENVOLVIMENTOpor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NoDerivs 3.0 Brazil