Show simple item record

dc.creatorOliveira, Hulda Gomides
dc.date.accessioned2019-04-23T19:26:39Z
dc.date.available2019-04-23T19:26:39Z
dc.date.issued2019-03-29
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/11301
dc.description.abstractIn this research we develop an analysis of discourses on freedom of expression constructed in different historical moments (antiquity, modernity and contemporaneity), trying to understand how discursive processes constitute subjectivities in democracies. Thus, we are interested not in a study of the occurrence of the terms "freedom of expression", but rather a discursive diagnosis, in the wake of Michel Foucault, of the dynamics raised in diverse conditions of "free expression", which emerged historically, names: freedom of speech, freedom of communication, freedom of ideas and opinions, freedom of thought and expression. We have seen that, because of their socio-political nature, they are discourses crossed by a series of other elements that constitute contemporary practices of "free expression", such as: a Western political philosophy, with paradigms about what the subject is and what he can express; subjects that are marked by conditions of a democratic regime and "possessors" of constitutional rights; marked by the very conditions of operation of the communication networks in which they are involved, either by the architecture of these networks, which allows practices according to a given spatial arrangement, or by dynamics that at the same time make express and silence. Thus, we consider some common places important for the construction of these discourses, and from this we form our corpus of analysis: first, the Greek agora, with the happening of the polis, considered as the place in which it would be the "free citizen to expressing "- for this, we analyze two texts, Aristotle's Politics, and Pericles' Prayer for the Dead; secondly, modern France, with the event of the French Revolution, which through the Declaration of the Rights of Man and Citizen (material we have analyzed), with a manifestly universal claim, would have won the freedom for the "people to express themselves"; Finally, contemporaneity, which with the event of the creation of social networks, on digital platforms, would be experiencing the democratic apogee of which, now, "anyone can express itself" - in this cut, we analyzed statements inscribed on the Internet, as cyberspace of free expression. For us, this trajectory crosses and constitutes the subjects that express themselves in the social networks of the present, and, precisely considering this, is that we are interested in understanding the formation and the operation of such discursive practices to deconstruct any sacralization of freedom of expression in democracies, either of subjects who express themselves in the name of the city, in the name of men's rights, or in their own name. In order to develop such an approach, we take as an analytical clipping of the present, statements that circulate in Brazil in materialities of Facebook (pronounced as "pronto" and "mimimi"), considering the issue of great circulation in the country at the beginning of the 21st century. Finally, as far as our theoretical perspective is concerned, we assume the parameters of Foucaultian archeogynealogy (as we discussed throughout the text), by enabling us to analyze the relationships between ancient and modern practices that end up objectifying and subjecting the subjects who express themselves in the social networks of the present time, composing, finally, whether by regularities or discontinuities, practices and statements about freedom of expression in the contemporary, through processes of objectification and subjectivation.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade Federal de São Carlospor
dc.rights.uriAcesso abertopor
dc.subjectLiberdade de expressãopor
dc.subjectDiscursopor
dc.subjectSujeitopor
dc.subjectRedes sociaispor
dc.subjectFreedom of speecheng
dc.subjectDiscourseeng
dc.subjectSocial networkseng
dc.subjectLiberté d‟expressionfre
dc.subjectDiscoursfre
dc.subjectSujetfre
dc.subjectRéseaux sociauxfre
dc.titleLiberdade de expressão em democracias: discursos e sujeitos em redes de comunicaçãopor
dc.title.alternativeLiberté d'expression dans les démocraties: discours et sujets dans les réseaux de communicationfre
dc.typeTesepor
dc.contributor.advisor1Sargentini, Vanice Maria Oliveira
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1406919572611392por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5875459666335277por
dc.description.resumoNesta pesquisa desenvolvemos uma análise de discursos sobre a liberdade de expressão construídos em diferentes momentos históricos (antiguidade, modernidade e contemporaneidade), buscando compreender como processos discursivos constituem subjetividades em democracias. Assim, interessa-nos não um estudo da ocorrência dos termos “liberdade de expressão”, mas sim um diagnóstico discursivo, na esteira de Michel Foucault, das dinâmicas suscitadas em condições diversas de “livre expressão”, que emergiram historicamente, portanto, sob distintos nomes: liberdade de fala, liberdade de comunicação, liberdade de ideias e opiniões, liberdade de pensamento e expressão. Vimos que, por sua natureza sócio-política, trata-se de discursos atravessados por uma série de outros elementos que constituem práticas contemporâneas do “livre expressar-se”, tais como: uma filosofia política ocidental, com paradigmas sobre o que é o sujeito e o que pode ele expressar; sujeitos esses marcados por condicionamentos de um regime democrático e “possuidores” de direitos constitucionais; marcados, por fim, pelas próprias condições de funcionamento das redes de comunicação nas quais eles se encontram envolvidos, seja pela arquitetura dessas redes, que permite práticas segundo determinada disposição espacial, seja por dinâmicas que, ao mesmo tempo, fazem expressar e fazem calar. Consideramos, assim, alguns lugares-comuns importantes para a construção desses discursos, e a partir disso formamos nosso corpus de análise: primeiro, a ágora grega, com o acontecimento da polis, tida como o lugar no qual seria o “cidadão livre para se expressar” – para isso, analisamos dois textos, A Política, de Aristóteles, e a Oração aos mortos, de Péricles; segundo, a França moderna, com o acontecimento da Revolução Francesa, que por meio da Declaração dos direitos do homem e do cidadão (material que analisamos), com pretensão manifestamente universal, teria conquistado a liberdade para o “povo se expressar”; por fim, a contemporaneidade, que com o acontecimento da criação de redes sociais, em plataformas digitais, estaria vivenciando o apogeu democrático de que, agora, “qualquer um pode se expressar” – nesse recorte, analisamos enunciados inscritos na internet, como ciberespaço de livre expressão. Para nós, essa trajetória atravessa e constitui os sujeitos que se expressam nas redes sociais da atualidade, e, justamente considerando isso, é que nos interessa compreender a formação e o funcionamento de tais práticas discursivas para desconstruir qualquer sacralização da liberdade de expressão em democracias, seja de sujeitos que se expressam em nome da cidade, em nome do direito dos homens, ou em nome próprio (eu). Para desenvolver tal abordagem, tomamos, como recorte analítico do presente, enunciados que circulam no Brasil em materialidades do Facebook (enunciados como “pronto falei” e “mimimi”), considerando o quesito de grande circulação no país nesse início do século XXI. Por fim, no que se refere à nossa perspectiva teórica, assumimos os parâmetros da arqueogenealogia foucaultiana (conforme discutimos ao longo do texto), por nos possibilitar uma análise das relações entre práticas antigas e modernas que acabam por objetivar e subjetivar os sujeitos que se expressam nas redes sociais da atualidade, compondo, por fim, sejam por regularidades ou descontinuidades, práticas e enunciados sobre a liberdade de expressão na contemporaneidade, via processos de objetivação e subjetivação.por
dc.publisher.initialsUFSCarpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Linguísticapor
dc.subject.cnpqLINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRASpor
dc.subject.cnpqLINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICApor
dc.ufscar.embargoOnlinepor
dc.publisher.addressCâmpus São Carlospor


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record